terça-feira, 7 de abril de 2009

Namoro

terça-feira, 7 de abril de 2009



Namoro é quando não se tem certeza absoluta de nada, a cada dia um segredo é revelado, brotam informações novas de onde menos se espera. De manhã, um silêncio inquietante. À tarde, um mal-entendido. À noite, um torpedo reconciliador e uma declaração de amor.
Namoro é teste, é amostra, é ensaio, e por isso a dedicação é intensa, a sedução é ininterrupta, os minutos são contados, os meses são comemorados, a vontade de surpreender não cessa — e é a única relação que dá o devido espaço para a saudade, que é fermento e afrodisíaco. Depois de passar os dias se vendo só de vez em quando, viajar para um fim de semana juntos vira o céu na Terra: nunca uma sexta-feira nasce tão aguardada, nunca uma segunda-feira é enfrentada com tanta leveza.
Namoro é como o disco “Sgt. Peppers”, dos Beatles: parece antigo e, no entanto, não há nada mais novo e revolucionário. O poeta Carlos Drummond de Andrade também é de outro tempo e é para sempre. É ele quem encerra esta crônica, dando-nos uma ordem para a vida: “Cumpra sua obrigação de namorar, sob pena de viver apenas na aparência. De ser o seu cadáver itinerante".

|Martha Medeiros


Talvez o amor seja mais sorte do que qualquer outra coisa..." É tão grande que nem se explica." Essa é a frase perfeita para definir tudo... é perfeita para definir tudo o que eu penso nesse instante.Nunca achei que fosse chegar ao ponto de morrer de amor... porém, nunca achei que viveria desse amor. É, amar profundamente talvez seja mais um caso de sorte mesmo.




|Clarissa Guerra



2 sonhos fofocados:

Júnia Marchon disse...

Que perfeito Clarissa *-*






Beijo




;]

radnia pauk'ar disse...

y es que tal vez *amor* deje de ser solo cuatro letras unidas... es tal vez, esa fuerza inexplicable que nos hace sentir en compañía de la persona que está lejos, de perdonar a quien nos hizo daño... de dar hasta lo que no tenemos por ver el brillo en sus ojos =)

amor y paz =D

Postar um comentário